Cardiologista dá 7 dicas para não perder o fôlego durante o Carnaval

Excesso de ingestão de bebidas alcoólicas é um perigo

Enviado Direto da Redação
É recomendável que os foliões redobrem a atenção com antigos hábitos e comportamentos

É recomendável que os foliões redobrem a atenção com antigos hábitos e comportamentos

Foto: Divulgação


O Carnaval é uma das épocas mais esperadas do ano. Sempre há aqueles que contam os dias para descansar e assistir sua série preferida em frente à TV. Porém, para outros, é o momento de aproveitar os dias de folga para encarar uma verdadeira maratona de folia.


Apesar do bom astral, é nesse feriado que a maioria das pessoas acaba saindo da rotina e sobrecarregando o coração, na maioria das vezes por causa dos excessos de ingestão de bebidas alcoólicas, do cigarro, alimentação inadequada e, também, uso de substâncias ilícitas.


“É recomendável que, neste período, os foliões redobrem a atenção com os hábitos de comportamento, como o abuso do álcool; do cigarro e a má alimentação, além de atentar para o estresse físico e os riscos de desidratação”, alerta Marcelo Sampaio, cardiologista membro do Comitê Científico do Instituto Lado a Lado pela Vida.


Segundo o especialista, não são apenas aqueles que sabem que são portadores de problemas cardíacos que precisam se preocupar. “Todos devem ficar atentos a qualquer sintoma diferente do normal, como cansaço exagerado, falta de ar, dor no peito, tontura e palpitações”.


O cardiologista elencou sete dicas para manter o coração a mil e bastante saudável durante os quatro dias de folia. “Tudo em excesso pode provocar danos ao coração. A bebida alcoólica também”, avisa Marcelo Sampaio, explicando que o álcool libera substância que podem provocar vaso constrição, reduzindo o fluxo de sangue para o músculo do coração, podendo gerar arritmia. O cardiologista destaca que não é incomum pessoas que bebem muito terem episódios de taquicardia, arritmia ou até mesmo infarto. “Se tiver antecedentes de eventos com álcool ou fatores de risco genéticos, pode haver complicações”.

Veja também