24 de Outubro de 2014

Polícia
Enviado por Marcela Freitas, Priscila Andrade e Lutiene Siqueira 1/9/2010 00:43:41

PM 'sacode' 'Bonde da Cueca' em Niterói

A morte de dois homens e a prisão de outros 13 - entre eles um menor - na terça-feira (31), após confronto armado entre traficantes e policiais militares no Morro dos Marítimos, em Niterói, reacendeu a discussão sobre a migração de criminosos do Rio de Janeiro para cidades da Região Metropolitana, sobretudo, após a implantação das Unidades de Polícia Pacificadoras (UPPs) em comunidades cariocas. Segundo a polícia, dos 12 homens presos, 11 seriam oriundos do Morro do Fallet e Cerro-Corá, em Santa Teresa, no centro do Rio, todos ligados ao Comando Vermelho. Os criminosos teriam ‘invadido’ os Marítimos, reduto da facção Amigos dos Amigos (ADA), em apoio ao traficante Luis Cláudio Gomes, o Pão-com-Ovo, apontado como chefe do tráfico de drogas do Morro Nova Brasília, na Engenhoca.

Além dos Marítimos, outras intensas batalhas travadas pelas facções CV e ADA já deixaram um saldo de aproximadamente 15 mortos, este ano, no Morro do Palácio, em Niterói, e nos Complexos da Candoza e Novo México, em São Gonçalo. Apesar das evidências, o comandante geral da PM, coronel Mário Sérgio Duarte, minimizou a migração e, na última segunda-feira, anunciou um aumento de efetivo policial nos batalhões de São Gonçalo e Niterói, já em outubro.

Guerra
- Dois homens morreram, 12 foram presos e um menor apreendido durante confronto armado entre traficantes e policiais do 12º BPM (Niterói) no Morro dos Marítimos, na Engenhoca, em Niterói, na madrugada de terça-feira. A polícia vinha monitorando o grupo oriundo dos morros do Fallet e Cerro-Corá, no Rio, desde a última sexta-feira, quando policiais da 78ª DP (Fonseca) receberam informações sobre a invasão e comunicaram ao batalhão de Niterói.

Segundo o comandante do 12º BPM, tenente-coronel Ruy Sérgio França, os criminosos estavam na cidade em apoio ao traficante Luis Cláudio Gomes, o Pão-com-Ovo, apontado como chefe do tráfico na Favela Nova Brasília. Uma das principais lideranças do Comando Vermelho (CV), em Niterói, Pão-com-ovo tentava tomar os pontos de vendas de drogas nos Marítimos.
"Desde o final de semana, tínhamos a informação que havia uma disputa pelo espaço no Morro dos Marítimos. Ficamos monitorando para tentar identificar os marginais que estavam na localidade. Pedi a autorização do comandante geral da PM, que nos concedeu o apoio do Batalhão de Operações Especiais (Bope). O Bope ficou monitorando a favela Nova Brasília enquanto fazíamos a incursão no Morro dos Marítimos", disse França.

Confronto - Com a chegada dos PMs ao Morro dos Marítimos, houve um primeiro confronto na Travessa Otto, que se estendeu até a Rua Carpentier. Quatro suspeitos foram baleados e levados para o Hospital Estadual Azevedo Lima, no (Heal), no Fonseca. Dois deles, identificados como Alex Sandro de Oliveira, o Leco, 29 e Wanderson, não resistiram aos ferimentos e morreram ao dar entrada na unidade. Simultâneamente à operação nos Marítimos, cerca de 50 policiais do Bope ocuparam a comunidade Nova Brasília, onde não houve registro de confronto e mortes.

Presos - Durante a operação foram presos Darlan Carlos Souza Líbano, o Grande, 22 anos, Luis Paulo Pereira do Nascimento, 23, Leonan Souza Azevedo, Sergio do Nascimento Honorato, Marcio William de Souza Januário, Alexander da Cunha, o Malhado, Robson da Silva Pereira, Carlos Augusto Leite, Diego Marques Bezerra, além de Thiago Santos, 23, Feliciano Costa Silva e Maxuel Pires de Lima, o Maxixe, apontado como um dos homens de confiança de Pão-com-Ovo. Um menor de 15 anos também foi apreendido na ação. No local foram apreendidos 1.099 de maconha, 735 crack, cocaína 715, 306 munições de fuzil 556, 384 de munição 9 mm, 24 de ponto 40 e 55 de 45. além de 13 pistolas, sendo uma com mira a lazer, 26 carregadores, duas granadas, seis rádios transmissores e um celular.

Os presos e o material foram encaminhados à 78ª DP (Fonseca). Todos os envolvidos foram autuados por porte ilegal de arma de uso restrito, porte de explosivo, tráfico e associação ao tráfico. Eles podem pegar uma pena de 12 a 30 anos de prisão.

Investigações - De acordo com investigações da polícia, Pão-com-Ovo pretendia tomar os pontos de vendas de drogas no local para repassar o “comando” ao seu comparsa Maxuel Pires, o Maxixe, preso durante o confronto. Segundo a polícia, um homem que faria a segurança de Maxixe, foi morto durante o confronto. Ele portava a pistola com mira a lazer.

O delegado titular da 78ª DP, Reginaldo Guilherme, ressaltou que todos os envolvidos na ação seriam, inicialmente, oriundos do Rio.
“O que a gente temia está acontecendo. Eles estão atravessando a ponte devido as UPPs. Essa não é a primeira vez que acontece, mas estamos dando a pronta resposta. A Polícia Militar está trabalhando em conjunto com a delegacia para evitar essas invasões. No primeiro momento eles tentam se instalar sem chamar muita atenção. Depois trazem armamento pesado”, afirmou.

Clima tenso em hospital

A batalha no Morro dos Marítimos, no Barreto, assustou pacientes e funcionários do Hospital Municipal Orêncio de Freitas, localizado em um dos acessos à comunidade. O clima ficou mais tenso, durante a madrugada, quando a PM iniciou a operação e ocorreu o confronto. Contudo, segundo a asessoria de imprensa, não foram registrados incidentes na unidade.
"Apesar do tiroteio, mantivemos os procedimentos e atendimentos de rotina", informou a asessoria do hospital, que enfrenta uma greve de funcionários.

Criminosos incendiaram ônibus

No último domingo, traficantes do Morro dos Marítimos, que haviam sido expulsos na última sexta-feira, teriam ateado fogo em um ônibus da Viação Brasília para chamar a atenção da policia e enfraquecer as vendas do Comando Vermelho no local. Segundo a polícia, oito homens armados interceptaram o coletivo na Rua Dom Antônio Almeida Moraes Junior, próximo à Travessa Quatro, em um dos acessos ao Morro dos Marítimos, e atearam fogo no coletivo. As chamas atingiram a motocicleta de um jovem que passava pelo local. Ontem, um homem e um menor foram detidos no Morro da Cruz, São Miguel, em São Gonçalo, acusados de participarem da ação. Eles foram conduzidos à 78ª DP (Fonseca), onde prestaram depoimentos e foram liberados.

'Senti medo na hora'

"Comecei ouvir os primeiros tiros às 4h10. Logo depois os barulhos aumentaram. Desde sexta-feira, estávamos sabendo de uma invasão, mas como não houve confronto, pensamos que eram boatos. Só quando saí de casa, ontem, para ver o que tinha acontecido, vi sangue e um carro todo furado. Senti muito medo na hora."
Moradora





<< Primeira < Anterior   [ 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10  ] Próxima > Última >>

Expediente | Anuncie Aqui | Trabalhe Conosco | Twitter | Comunidade no Orkut | RSS | Fale Conosco
©Copyright O SÃO GONÇALO - Todos os direitos Reservados

Ilhota Leste Comunicação