Centro Especial de Orientação à Mulher atende vítimas de violência

A unidade fica em Neves, São Gonçalo

Enviado Direto da Redação
Equipe de atendimento é formada por diferentes profissionais preparados para dar assistência

Equipe de atendimento é formada por diferentes profissionais preparados para dar assistência

Foto: Divulgação

O Centro Especial de Orientação à Mulher (Ceom) de São Gonçalo realiza o atendimento de mulheres violentadas, há cerca de 21 anos, no município. Segundo o Executivo, cerca de 70 mil mulheres já foram atendidas na cidade e a instituição é uma das referências no assunto em todo o país.

Segundo o Executivo, os centros de atendimento possuem psicólogas, assistentes sociais, advogado e guarda municipal, que formam uma rede de apoio e acolhimento às mulheres que chegam ao local.

“Éramos nós três: eu, meu marido e nosso filho, no nosso mundo, como uma família comum. Até que, há dois anos, depois de 12 anos casados, tudo mudou. Comecei a sofrer todo o tipo de agressão psicológica possível, só que eu preferia acreditar que era só um momento difícil na vida do meu marido e que isso ia passar”, afirmou uma das mulheres atendidas pelo Ceom.

No ano passado, o município fez parte das dez cidades com maiores números de violência psicológica, tentativa de estupro e lesão corporal, de acordo com o Dossiê Mulher 2018.

Segundo Aurélia Leal, assistente social do Ceom, grande parte do público assistido é formado por mulheres jovens, que percebem cada vez mais cedo que vivenciam um contexto de violência e violação. Entretanto, também há o público idoso, onde a assistente social percebe uma naturalização maior da violência. “Muitas são casadas há muitos anos e vivenciam desde jovens a violência, que em muitos casos começam com insultos e violência psicológica e a gente percebe o quanto esses comportamentos estão naturalizados na nossa sociedade”, afirmou.

O Ceom funciona de segunda a sexta, das 9h às 17h, com atendimento presencial na Rua Camilo Fernandes Moreira, em Neves, ou ainda pelo telefone 96427-0012.

Além disso, o município possui redes de proteção através do Conselho dos Direitos da Mulher, no Mutondo; Movimento de Mulheres, no Zé Garoto e Delegacia de Atendimento à Mulher (Deam), no Mutuá.

Veja também