Sobe para 10 denúncias contra pai-de-santo acusado de crimes em Niterói e Baixada

Acusado teria sido mentor de homicídio contra outro líder religioso

Enviado Direto da Redação
Recompensa que culmine com captura de Pai Bruno é de R$ 1 mil

Recompensa que culmine com captura de Pai Bruno é de R$ 1 mil

Foto: Divulgação

O Disque-denúncia já recebeu 10 informações sobre o suposto paradeiro do pai-de-santo Edmar Santos de Araújo, de 29 anos, mais conhecido pelo apelido de 'Pai Bruno de Ogum' ou Pombagira. Ele é acusado de ser o mentor de um crime de latrocínio ocorrido em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, e já é considerado foragido da Justiça. Edmar também responde a inquérito por estelionato na 76ªDP (Niterói) A recompensa a quem oferecer dados culminem com sua prisão é de R$ 1 mil. 
    

Segundo investigações da Delegacia de Homicídios da Baixada – DHBF – o crime aconteceu no dia 16 de abril deste ano, na Rua Euchario, no Cabuçu, Nova Iguaçu. Edmar junto com David Patrick Gomes Dias, preso, 26 anos, e o adolescente infrator A.J.B.S, de 17 anos, vulgo Cara de Macaco, também preso, mataram a vitima dentro da casa desta, para roubarem pertences pessoais. Edmar era conhecido da vitima, o que facilitou a entrada dos comparsas no imóvel.

No processo que tramita na Justiça, o depoimento de David declara que quando conheceu Edmar, esse pediu para ele para arrumar duas ou três 'cabeças' para roubar uma “Caxanga” (casa), que seria uma mansão ou uma casa de luxo. David chamou o menor vulgo Cara de Macaco, e um outro comparsa, e que a vitima do assalto seria outro pai de santo, de vulgo Narizinho. O grupo de criminosos foram em direção à casa da vitima. Chegando na residência, Edmar e o quarto comparsa chamaram por Narizinho, por eles se conhecerem. David e o menor Cara de Macaco ficaram no portão, porque o combinado era Bruno, entrar e depois Cara de Macaco chamar pedindo água; que então seria dado sinal para o eles entrarem; que assim ocorreu; após eles escutarem um assobio.

Quando eles entraram na casa viram muito sangue na cozinha, e ficaram pela sala catando os pertences da vítima e logo depois empreenderam fuga do local do crime.

Pai Bruno já havia sido preso em 2012, Ele foi detido suspeito de extorsão e formação de quadrilha por policiais da 14ª DP (Leblon). Segundo a polícia, existiam dois registros na 76ª DP (Fonseca) e 134ª DP (Campos) pelos crimes de ameaça e extorsão contra Pai Bruno.

Uma dessas extorsões, Pai Bruno, segundo a vítima, informou que os espíritos estavam pedindo mais dinheiro para a realização do "trabalho" e para que não se voltassem contra ele, teria que aumentar o valor da consulta.

Em maio 2014, ele conseguiu, na Justiça, a liberdade provisória e, deixou o presídio Ary Franco, em Água Santa. Antes de voltar ao “seu” trabalho, sua advogada o proibiu de mencionar qualquer promessa nos anúncios. Antes, ele prometia “trazer a pessoa amada em três horas”. A partir daí seu apelido também mudou: se antes, ele usava pai Bruno de Pombagira, ele passou a usar Pai Bruno de Mulambo. Um quarto homem ainda não foi identificado. Dos quatro participantes do crime, dois já estão presos.

Quem tiver qualquer informação a respeito da localização do acusado em ainda liberdade e sobre a identificação e localização do quarto envolvido, favor denunciar pelos seguintes canais: Whatsapp ou Telegram Portal dos Procurados (21) 98849-6099; pelo facebook/(inbox), endereço: https://www.facebook.com/procurados.org/, pelo mesa de atendimento do Disque-Denúncia (21) 2253-1177, ou pelo Aplicativo para celular - Disque Denúncia - . O Anonimato é garantido. A recompensa só será paga mediante informações passadas para o Disque Denuncia ou para WhatSapp dos Procurados.  

Todas as informações sigilosas do caso estarão sendo encaminhadas para DHBF, que está encarregada do caso e do inquérito criminal.  

Veja também