Avô é morto a caminho da festa de aniversário do neto

Segundo testemunhas, pedreiro foi cercado por motoqueiros que anunciaram o assalto e atiraram

Enviado Direto da Redação
Caso aconteceu na Rua Laércio Xavier Mendonça, no Jóquei

Caso aconteceu na Rua Laércio Xavier Mendonça, no Jóquei

Foto: Leonardo Ferraz

O domingo seria de festa para a família do pedreiro Getúlio Santos Abreu, 57, mas a violência interrompeu as comemorações, em São Gonçalo. Enquanto organizava os festejos do aniversário de dois anos do neto, Getúlio foi assassinado durante uma tentativa de assalto, na Rua Laércio Xavier Mendonça, no Jóquei, próximo ao local da festa.

O caso aconteceu por volta das 7h de domingo, durante a caminhada diária que o pedreiro fazia pelas ruas do bairro, e de onde seguiria para a festa do neto. “Ele saía para caminhar todos os dias, há mais de três meses, passava por aqui sempre. Só que ele caminhava sem carteira, mas como hoje (ontem) é o aniversário do neto, ele levava a carteira com documentos e dinheiro, já que ia ficar lá no local”, contou o irmão da vítima, que teve o nome preservado.

De acordo com relatos de testemunhas, dois homens numa motocicleta, modelo Twister de cor azul, abordaram o pedreiro e anunciaram o assalto. Getúlio tentou correr, mas os criminosos atiraram, depois de cercar a vítima.

“O piloto da moto estava de capacete, mas o carona estava de casaco, era negro e magro. Eles ficaram cercando o senhor. Ele correu pra frente e os bandidos aceleraram, e deixaram ele correr para trás. Cercaram ele de novo e atiraram depois de ficarem fazendo jogo se atiravam ou não. Foi crueldade”, narrou uma testemunha do crime.

Getúlio levou um tiro e caiu. Depois que os criminosos fugiram, moradores da região ainda tentaram reanimar a vítima, que morreu no local. Bombeiros foram acionados, mas quando chegaram o pedreiro já estava morto.

“A gente vê isso nos jornais o tempo todo, mas quando acontece com a gente não sabemos como agir. Hoje foi a minha família, amanhã pode ser qualquer uma”, desabafou outro familiar da vítima.

Getúlio era morador do Arsenal há mais de 15 anos. Ele deixa a mulher, duas filhas e um casal de netos.

O corpo foi periciado por agentes da Divisão de Homicídios de Niterói, Itaboraí e São Gonçalo, e encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML) de Tribobó, em São Gonçalo. O caso foi registrado como latrocínio, roubo seguido de morte, e será investigado pelos agentes da DH.

Qualquer informação que ajude a polícia a identificar os autores do crime pode ser repassada através do Disque Denúncia (2253-1177) ou direto para a delegada especializada (2717-2838). Em todos os meios, o anonimato é garantido.

Veja também