Rogério 157 é preso na comunidade do Arará no Rio de Janeiro

O traficante era um dos mais procurados do Estado

Enviado Direto da Redação
Rogério 157 era procurado por tráfico, associação ao tráfico de drogas, extorsão e homicídio

Rogério 157 era procurado por tráfico, associação ao tráfico de drogas, extorsão e homicídio

Foto: Divulgação

O chefe do tráfico na favela da Rocinha, na Zona Sul do Rio, Rogério Avelino dos Santos, o Rogério 157, foi preso na manhã desta quarta-feira durante operação conjunta das polícias Civil, Militar e Federal, da Força Nacional e das Forças Armadas. O traficante, que era um dos mais procurados do Rio de Janeiro, foi preso na comunidade do Arará, na Zona Norte do Estado, e levado para a Cidade da Polícia, no Jacarezinho, onde prestará depoimento.


A ação envolveu 2,9 mil homens das Forças Armadas e foi realizada nas comunidades da Mangueira, Tuiuti, Arará, Mandela 1, Mandela 2 e Barreira do Vasco. Rogério 157 era procurado por tráfico, associação ao tráfico de drogas, extorsão e homicídio. A recompensa por informações que levassem à prisão do traficante era de R$50 mil.


Rogério era braço-direto do também chefe do tráfico na comunidade, Antônio Bonfim Lopes, o Nem, e assumiu o controle do tráfico da Rocina após a prisão de Nem. O traficante está no presídio federal de Rondônia.


As investigações apontam que, em agosto desse ano, Nem teria ordenado que Rogério entregasse o controle da comunidade, por causa das imposições a cobrança de taxas aos comércios e moradores impostas por 157, que desagradava Nem.


No Dia dos Pais, Rogério convocou os traficantes “Perninha”, “99” e “Vasquinho”, aliados de Nem, para uma conversa. Os mesmos foram executados a mando de "157", que convocou a cúpula do tráfico para assumir a direção do morro. As facções divididas deram início a uma guerra na comunidade.

Veja também