Pesquisa revela que a cada 10 filiados a partidos políticos, apenas quatro são mulheres

A maioria das siglas possui entre 40% e 46% de filiadas

Enviado Direto da Redação
Partidos políticos devem ter, pelo menos, 30% de mulheres

Partidos políticos devem ter, pelo menos, 30% de mulheres

Foto: Divulgação

Uma pesquisa feita pela Pulso Público a pedido do Movimento Transparência Partidária (MTP) aponta que a cada dez eleitores filiados a partidos políticos apenas quatro são mulheres. A maioria das siglas possui entre 40% e 46% de filiadas. Segundo a Lei de nº 9.504/1997, cada partido ou coligação deve conter, no mínimo, 30% e, no máximo, 70% de suas vagas para candidatura de cada sexo.

Tendo como base a proporção do sexo feminino na população brasileira que, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) referentes ao censo 2010, representa 51% da população, as mulheres deveriam compor, pelo menos, metade das cadeiras no Congresso Nacional. Contudo, a igualdade entre gêneros nos cargos eleitorais ainda está longe disso. Um levantamento realizado em 2014 pela Secretaria de Políticas Para as Mulheres verificou que apenas 9,9% dos deputados federais eleitos naquele ano eram do sexo feminino.

Comparado a outros países, o Brasil decidiu, tardiamente, pelo direito ao voto para o sexo feminino. Enquanto a Nova Zelândia já havia concedido tal direito em 1893, e a Finlândia, em 1906, as mulheres brasileiras conquistaram a possibilidade de votar somente em 1932, durante o primeiro governo Vargas.

O crescimento de eleitores filiados às siglas passou de 8,4% para 11,4% entre 2009 e 2017, totalizando 16,6 milhões de filiados e comprovando que o crescimento do número de eleitores filiados a partidos políticos foi superior ao número de eleitores. Contudo, ainda há partidos com menos que 40% de mulheres, como a Rede, com 37%; e o Novo, que soma 13%.

Veja também