Alerj debate piso regional de trabalhadores hoje

Será discutido o reajuste de 2,52 %

Enviado Direto da Redação
>> Piso regional contempla mais de dois milhões de trabalhadores sem salários definidos por lei

>> Piso regional contempla mais de dois milhões de trabalhadores sem salários definidos por lei

Foto: Divulgação



A Assembleia Legislativa discute hoje, a partir das 15h, o reajuste de 2,52% no piso regional de mais de 170 categorias de empregados da iniciativa privada que não têm salário definido por lei federal, convenção ou acordo coletivo. O projeto de lei 3.674/18, de autoria do Executivo, estabelece para salários entre R$ 1.165,17 e R$ 2.972,82, distribuídos em seis faixas, para mais de dois milhões de trabalhadores.


O texto sairá de pauta à medida que os deputados apresentarem emendas. As mudanças serão discutidas antes de uma votação definitiva. Segundo o Governo, não houve consenso em relação ao reajuste entre as classes dos trabalhadores e a patronal, portanto, o percentual foi aplicado de acordo com as médias das taxas do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) e Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) e acima do percentual do reajuste do salário mínimo nacional, que foi de 1,81%. Com a mudança, o piso salarial para profissionais da faixa I, que atualmente é de R$ 1.136,53, passaria para R$ 1.165,17.


A primeira categoria engloba os empregados domésticos, trabalhadores de serviços de conservação e manutenção, auxiliares de serviços gerais e de escritório, etc. Na faixa II, cujo piso passaria a ser de R$ 1.208,11 estão os trabalhadores da construção civil, carteiros, cozinheiros, operadores de caixa, cabeleireiros, manicures, motoboys; comerciários, pintores, pedreiros, garçons, entre outros.


Com piso no valor de R$ 1.294,01, a faixa III abrange soldadores, agentes de trânsito, telefonistas, operadores de telemarketing, condutores de veículos de transporte, porteiros, eletricistas, frentistas, auxiliares de enfermagem, etc.

A faixa IV, cujo piso seria de R$ 1.567,80 contempla técnicos em enfermagem, farmácia, laboratório e de nível técnico registrados nos conselhos das áreas. Com R$ 2.364,57, professores de Ensino Fundamental I, motoristas de ambulância, técnicos de segurança do trabalho e em eletrônica integram a faixa V. Por fim, contadores, psicólogos, fisioterapeutas, assistentes sociais, biólogos, nutricionistas, enfermeiros, entre outros, receberiam R$ 2.972,82.


Veja também