Dicas e cuidados para adotar um segundo animal de estimação

Dono precisa conhecer a personalidade do pet

Enviado Direto da Redação
>> É preciso ter cuidado na hora de escolher um segundo pet

>> É preciso ter cuidado na hora de escolher um segundo pet

Foto: Divulgação



A cada dia que passa, mais populares ficam as campanhas de adoções de animais pelo Brasil. Enquanto alguns aproveitam para adotar seu primeiro bichinho, outros buscam um parceiro para o pet que já existe em sua casa. Contudo, é preciso cuidado ao tentar integrar o novo animal na residência.


De acordo com a veterinária Sílvia Barreto dos Santos, da Clínica Late-late, localizada no Jardim Catarina, São Gonçalo, é super importante que o dono do animal conheça bem a personalidade do pet para que ele se dê bem com o novo bichinho. Ela ainda recomenda que em caso de adoção do segundo animal, que a pessoa prefira um de sexo oposto ao que já tem em casa.


“A adoção do segundo animal é uma questão complexa. A pessoa precisa conhecer a energia do animal que tem em casa e do que vai integrar a família. Se você tem um bicho dominante, ele não vai se dar bem com outro dominante”, explicou.


Outro ponto importante abordado pela veterinária é o tipo do novo animal que vai entrar para a família. Caso a pessoa tenha um gato e queira um cachorro, ou vice-versa, é necessário cuidados para que os pets não entrem em constante conflito.


“Gatos estranham muito e são mais territorialistas. Se ele for adulto e chegar um filhote de cachorro, pode desenvolver várias doenças. Se for um gato arisco, é complicado até tentar essa adaptação. No caso de já ter um cachorro em casa, é melhor que o cão já tenha alguma vivência com gatos. Mas isso também não garante boa convivência. A pessoa terá de estar sempre monitorando a convivência no início”, disse.



Veja também