Pets são considerados membros da família e têm até plano de saúde

Gastos não são considerados despesas

Enviado Direto da Redação


Os animais de estimação já fazem parte da família. Prova disso é a recente pesquisa divulgada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), que revela um gasto de R$ 189 todos os meses para o bem-estar desses companheiros. Entre os consumidores das classes A e B, a média sobe para R$ 224 mensais.


Os principais cuidados listados pelos donos dos animais está alimentação saudável, saúde e conforto para dormir. A pesquisa indicou que os produtos e serviços mais adquiridos no dia a dia para cuidados com cães ou gatos são as rações especiais (88%), seguidas dos shampoos e condicionadores (57%), petiscos (52%), medicamentos e vitaminas (50%) e brinquedos (44%).


A criadora Moema Vieira da Silva, de 53 anos, é uma dessas pessoas que cria seu pet como verdadeiro filho. Amora, como é chamada a cachorrinha da raça Spitz Alemão (ou Lulu da Pomerânea), é considerada a rainha da casa de Moema. 


Segundo a criadora, os gastos com Amora chegam a mais de R$500 mensais. A pequena pet, de apenas um ano e meio, tem mimos como toquinha para banho, toalhas bordadas, brinquedos variados, caminhas, sofá, carrinho, cadeirinha para carro, frutas, legumes, carregador canguru, bifinho ralado, rações importadas e até plano de saúde de R$120, com cobertura para todos os gastos.


"Eu e meu marido queríamos muito ter um filho. Chegamos a tentar inseminação artificial, mas infelizmente não conseguimos. Como eu fico muito sozinha em casa, meu filho mais velho me deu a ideia de pegarmos um cachorro. Achei ótimo e arrumei a Amora. Sei que não substitui um ser humano, mas ela é quem me faz companhia. Converso todos os dias com ela e parece que ela entende. Para onde eu vou, levo minha cachorrinha", disse Moema.


Amora é tão querida que teve festa de aniversário no seu primeiro ano de vida. O evento reuniu amigos pets e alimentações especiais para cachorros, incluindo saquinhos surpresa. "Eu participo de um grupo de encontros com cachorros e chamei algumas amigas para o aniversário da Amora. A curiosidade é que minha Spitz faz aniversário no mesmo dia da minha nora. Ela fica brincando comigo, falando que Amora é mais especial que ela", contou.


Além da Amora, Moema tem outros seis cachorros da mesma raça. Quatro deles são filhotes da pet, que têm apenas um mês, e outros dois se chamam Moelie e Pitoco, de três meses cada. "Esses filhotes são meus amores. Acordo de madrugada para alimentá-los e não me incomodo em dedicar meu tempo para deixá-los confortável", finalizou Moema.

 

Boris, o bulldog francês, tem Instagram


Outra pessoa que também não se incomoda com os gastos com o pet é a funcionária pública Thaila de Souza Martins, de 30 anos. O seu fiel companheiro é Boris, um bulldog francês de quatro anos, que é muito amado pela família.


"Desde o momento que decidi ter um cachorro, sabia que teria gastos. Faz parte, mas não me arrependo. O amor que ele tem por nós (ela e o marido) não me faz pensar muito nisso. O Boris é muito carinhoso e apegado a nós", explicou Thaila.


O investimento feito pela funcionária pública com Boris chega a R$150 mensais. Devido ao fato da raça ter problemas comuns de respiração e de pele, Thaila tem a maior parte dos gastos tentando controlar uma alergia na pele do pet.


"Dou uma ração de qualidade, vacinas anuais e compro brinquedos e petiscos variados mensalmente, além de roupinhas, bandanas, pingente e colete para ir à praia. Boris também tem alergia de pele. Ele vive tomando antibióticos e antialérgicos", declarou.


Apesar de ter duas caminhas, Thaila conta que Boris gosta mesmo é de dormir com o casal. O cachorro é tão querido pela família que faz parte de todas as fotos de final de ano com os 'amigos humanos'. E todos os registros divertidos da vida do pet são postadas no Instagram @_frenchieboris.


"Já deixei de viajar diversas vezes por não poder levá-lo ou não ter alguém para ficar com ele. Mês passado foi o aniversário dele e Boris ganhou uma festinha com convidados caninos, guloseimas para cachorros e lembrancinhas com bolinha e biscoitos", finalizou Thaila.

 

Gastos não entram na tabela de despesas


Mais da metade dos entrevistados na pesquisa feita pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) citou que só alimenta seus animais de estimação com rações da linha premium, que são mais adequadas para o porte e raça de seus pets. Há, ainda, 21% de donos dos pets que oferecem comida natural, feitas exclusivamente para os cães e gatos.


A pesquisa demonstra que os donos não vêem seus animais de estimação como fonte de despesas ou mais uma dentre tantas responsabilidades no dia a dia. Tanto que, apenas 8% dos entrevistados associam seus animais de estimação aos gastos financeiros e somente 2% o vêem como sinônimo de problemas ou dores de cabeça.

Veja também