Irmãos bons de "briga"

Moradores do Coelho, Maiara e Davy vêm se destacando em competições pelo mundo

Enviado Direto da Redação

Dupla, que enfrenta dificuldades de conseguir patrocínios, sonha em viver somente do esporte

Foto: Luiz Nicolella

Por Sérgio Soares e Thuany Dossares

Unidos pelos laços sanguíneos e pelos tatames, dois irmãos gonçalenses se tornaram destaques no Jiu-Jitsu e passaram a integrar a equipe Gracie Humaitá, referência internacional nas artes marciais.

Maiara Angélica de Oliveira Silva, de 18 anos, e Davy Alexandre de Oliveira Silva, 19, começaram a treinar juntos há quatro anos num projeto social no bairro Guaxindiba, em São Gonçalo.

Na faixa-azul, já com um pé na roxa, a dupla que saiu do Coelho está ganhando diversos títulos disputando as principais competições do esporte, como mundiais, europeus, sul-americanos, além das etapas brasileiras.
A luta dos jovens, no entanto, não só dentro dos tatames. A batalha dos irmãos é diária para tentar conseguir realizar o sonho de viver somente do esporte.

“Nossa maior dificuldade é a falta de patrocínios. Contamos com ajuda dos treinadores para pagarem nossas passagens aéreas, inscrições nos torneios. Tudo é muito caro. Meu maior sonho é ser viver do Jiu-Jitsu e poder dar melhores condições para a minha família”, comentou Maiara.

Devido à falta de recursos, os irmãos tiveram que decidir qual dois dois disputaria o Mundial, nos Estados Unidos, em maio deste ano.

“A academia só poderia mandar um dos dois para a Califórnia. Então, como naquele momento eu achei que a Maiara tava mais preparada, eu abri mão sem pensar duas vezes. Graças a Deus ela representou, e ficou em segundo lugar, numa chave que tinham 42 atletas”, disse orgulhoso.

No final de janeiro, Maiara viaja para Lisboa, em Portugal, para competir o Europeu. Por questões financeiras, Davy terá que ficar de fora.

“A passagem está muito cara. Eu vou me dedicar ainda mais nos treinos com o foco na competição de Abu Dabhi. Vencendo, terei dinheiro para disputar o Mundial de 2016, na Califórnia”, explicou.

A cumplicidade entre os dois fica ainda mais evidente nos dias de disputa. “Parece que eu fico mais nervosa que ele. Acaba que nos emocionamos e torcemos mesmo um pelo outro”, finalizou Maiara.

Veja também