Maricá monta um plano decontingência contra as chuvas

Enviado Direto da Redação
Máquinas da Prefeitura estiveram nos canais paralelos ao conjunto há poucas semanas

Máquinas da Prefeitura estiveram nos canais paralelos ao conjunto há poucas semanas

Foto: Divulgação

De acordo com a Defesa Civil de Maricá, as chuvas fortes e constantes que caíram no estado do Rio de Janeiro nos últimos dias não trouxeram grandes transtornos para o município de Maricá. E a razão é simples: um programa permanente de dragagem e desassoreamento de todos os rios e canais que cortam o município. Um dos pontos críticos da cidade, a área do Residencial Carlos Marighella, em Itaipuaçu, passou sem maiores problemas.

Como as máquinas da Prefeitura estiveram nos canais paralelos ao conjunto há poucas semanas, mesmo o forte volume de precipitação não afetou o deságue no Rio Bambu, que passa nos fundos do condomínio. O secretário executivo de Infraestrutura, Marcos Câmara, disse que dois engenheiros estiveram de prontidão para monitorar possíveis efeitos da chuva durante o feriado prolongado, mas nenhuma situação de risco foi verificada.

Segundo ele, o trabalho de limpeza dos rios e canais da cidade iniciado em março foi determinante para manter a segurança de quem vive nas proximidades dos leitos.

“Esse trabalho agora é ininterrupto e será intensificado até março do ano que vem, quando a quantidade de chuvas começa a diminuir. Esse resultado sem ocorrências graves na cidade mostra que estamos agindo corretamente”, avaliou. Medições da Secretaria Adjunta de Meio Ambiente na régua de controle da Lagoa de Divinéia indicaram um volume de 20 cm.

“Esse nível é baixo em relação ao volume das chuvas que caíram em março, deste ano, quando a régua bateu a marca de 70cm”, comparou o secretário adjunto de Meio Ambiente, Guilherme Mota. Segundo o coordenador de Defesa Civil, coronel Edson do Amaral, o monitoramento que está sendo realizado por sua equipe tem comprovado a eficiência dessas ações. “A Prefeitura realizou ao longo do ano ações de limpeza e drenagem dos rios e canais”, confirma o coordenador. Sua pasta também vem atuando com a conscientização, tendo ministrado um ciclo de palestras sobre gestão de riscos e desastres.

“Capacitamos mais de 70 pessoas no enfrentamento de possíveis desastres. Até o momento tudo segue muito tranquilo, mas vamos continuar monitorando”, afirmou.

Desde que a Secretaria Executiva de Infraestrutura assumiu o controle dessa fiscalização - antes a cargo do estado - homens e máquinas da Secretaria Adjunta de Obras estão presentes em pontos estratégicos realizando a manutenção dos rios e canais. O secretário de Obras, Dalton Vilela, ressaltou que muita coisa já foi feita. Foram, segundo o secretário 14 frentes de obras dedicadas à dragagem em rios e canais de bairro como Mumbuca, Ponta Negra, Inoã, São José do Imbassaí e outros. Ele afirmou também que o bairro do Silvado é outro ponto de atenção e que está sendo monitorado de perto devido ao possível aumento no nível do rio de mesmo nome.

Veja também