Candongueiro atravessa a Baía e se apresenta na quadra da Portela

Show acontecerá no sábado, às 14h

Enviado Direto da Redação
O músico Hilton Mendes, à esquerda, é um dos fundadores da roda de samba do Candongueiro

O músico Hilton Mendes, à esquerda, é um dos fundadores da roda de samba do Candongueiro

Foto: Divulgação

Por Sérgio Soares

Os amantes do Candongueiro já podem comemorar. A convite do presidente da Portela, Luis Carlos Magalhães, os fundadores da tradicional casa de samba de Niterói, Hilton Mendes e Hilda Bastos, vão levar a famosa roda para a quadra da azul e branco de Oswaldo Cruz e Madureira, neste sábado (14), a partir das 14h, com as participações especialíssimas de Wilson Moreira e Nei Lopes.

O evento aconteceria no dia 26 de maio, no entanto, precisou ser adiado por causa dos transtornos gerados pela greve dos caminheiros. “Vamos promover um grande encontro cultural entre a Portela e o Candongueiro, que sempre foi uma das rodas de samba mais importantes do Brasil. A ideia é reproduzir na Portela todo aquele clima gostoso e único do Candongueiro, local que sempre recebeu tão bem a nossa Velha Guarda Show e os demais artistas da Portela e do samba como um todo”, diz Luis Carlos Magalhães.

“Levar o Candongueiro para a Portela será muito especial. Posso adiantar que vamos homenagear os fundadores da escola, Paulo da Portela, Caetano e Rufino, além de muitos outros compositores importantes, como Zé Ketti e Manacéa”, avisa Hilton, dono do Candongueiro, que fechou as portas em outubro de 2017 depois de quase 30 anos de atividades. Existem estudos para que a casa possa ser revitalizada até 2019.

O grupo responsável por comandar a festa contará com Wander Fontana (violão 7 cordas), Serginho Procópio (cavaco e voz), Daniel Scisimo (cavaco e voz), Bico Doce (cavaco e voz), Iracema Montero (voz), Dinho (percussão), Marcos Basílio (tantan), Ivan Mendes (clarineta, conga e percussão geral), Rafinha (tantan e percussão geral) e o anfitrião Hilton (pandeiro, tamborim e voz).

Dona Neném, de 93 anos, viúva do compositor Manacéa (autor de “Quantas Lágrimas”) é a madrinha do evento. “Lembro muito do Manacéa e de toda a Velha Guarda no Candongueiro, porque eles sempre foram uma das nossas principais atrações. O público fazia fila para entrar. Nada mais justo do que homenagear a Velha Guarda através da Dona Neném”, explica o fundador da casa, que recebeu a Medalha Paulo da Portela em 11 de abril, quando a Portela comemorou 95 anos. A comenda, também entregue a Hilda, foi uma forma de homenagear o casal, pelos relevantes serviços prestados ao samba e à memória portelense. Informações: (21) 3256-9411.

Veja também