Moradores do Coelho sofrem com surto de chikungunya

Dez ruas do bairro estão com pessoas infectadas pelo mosquito Aedes aegypti

Enviado Direto da Redação
Letícia tem que comprar repelente de R$70 a cada dez dias para prevenir o filho das doenças

Letícia tem que comprar repelente de R$70 a cada dez dias para prevenir o filho das doenças

Foto: Leonardo Ferraz

Moradores do Coelho, em São Gonçalo, estão preocupados com o surto da febre Chikungunya. Segundo o presidente da associação de moradores do bairro, José Augusto Garcia, dezenas de pessoas de, pelo menos, 10 ruas da localidade já foram infectadas com a doença.

O surto começou a surgir no Coelho no início de fevereiro. Segundo a dona de casa Letícia de Melo Ferreira, de 32 anos, que mora na Rua Gonzaga Ramos, uma das primeiras pessoas a sentir os sintomas da doença foi sua tia. “Minha tia, que mora na Rua Francisco Rafaelli, começou a sentir os sintomas da doença no dia 3 de fevereiro. Ficamos cuidando dela e, na sexta de Carnaval, eu comecei a sentir as mesmas coisas. Minha mãe, marido, filho e tio também foram infectados. Agora, estou com dificuldades de locomoção”, disse.

Letícia ainda contou que está tomando cuidados adequados, utilizando repelentes e inseticidas de tomada em toda a residência. Porém, ela esclareceu que já fez um abaixo assinado, que foi remetido a Secretaria de Saúde de São Gonçalo, solicitando atenção da Vigilância Sanitária e a visita de agentes de saúde. “Como meu filho é alérgico, eu tenho que comprar um repelente de 10 em 10 dias, que custa R$70. O certo era que a prefeitura fornecesse esse serviço de controle da doença, pois muitas pessoas não têm condições de ficar comprando repelente e inseticida”, contou Letícia.

Outra família que também foi afetada pela doença foi da cabeleireira Maria Aparecida Pereira, 51. Ela contou que, apenas em sua casa, quatro pessoas tiveram a doença. Com um neto de apenas dois meses, ela teme que o vírus se alastre ainda mais. “Meu neto não pode passar repelente. Então, a gente nem sai direito com ele para o quintal. Eu também não tive a doença e estou com medo”, explicou.

O presidente da associação de moradores listou, pelo menos, 10 ruas do bairro onde há pessoas infectadas. “Acredito que mais de cem pessoas estejam com a doença. Não tem uma família que, pelo menos, um membro não tenha sido infectado. A gente pede atenção da secretaria municipal de saúde. Queremos pedir aos órgãos públicos que estejam atentos aos moradores do Coelho”, concluiu. 

A prefeitura de São Gonçalo, em nota, informou que a Vigilância Ambiental realiza ações em todo município com agentes de endemias que visitam as residências. Apesar disso, é preciso que o trabalho seja mantido pelos moradores, que devem procurar focos do mosquito em sua residência.

Veja também