Atividades culturais chegarão a Fazenda Colubandê até abril

Projeto está próximo de sair do papel através de uma parceria público-privada

Enviado Direto da Redação

Foto: LEONARDO F


Cultura como prioridade. É essa a proposta para a Fazenda Colubandê, em São Gonçalo, que até abril deve receber o projeto ‘Ocupação Cultural’. O movimento busca investimentos para o local com foco na arte, lazer, esporte e entretenimento.


O projeto que vem sendo estudado está próximo de sair do papel através de uma parceria público-privada. Na manhã de ontem, Cleise Campos, integrante do Núcleo de Políticas Culturais do Governo do Estado; Verônica Inaciola, uma das coordenadoras do projeto com Romário Regis, representantes da prefeitura, ativistas culturais e moradores participaram de visita ao espaço.


De acordo com Cleise, após o Carnaval, deverá ser aberto edital para inscrição do projeto. “Vamos acolher uma boa ideia que surgiu de uma ocupação cultural que reúne vários artistas e pesquisadores de São Gonçalo. Isso vai ser possível através de renúncia fiscal para algumas empresas, que investirão nos projetos culturais. É um recurso que soma quase R$ 1 milhão, que vai ser distribuído ao longo de 15 meses para que a fazenda tenha atividade de cultura todos os dias da semana. Isso é uma atividade inédita, já que a cultura nunca se estabeleceu aqui deste jeito”, explicou.


Ainda segundo Cleise, está sendo costurado uma ação partilhada com a Secretaria de Estado de Segurança, que tem a cessão partilhada do imóvel. “A SEC (Secretaria de Estado de Cultura) tem conversado com a Secretaria de Segurança porque é importante que a Polícia Militar esteja aqui fazendo a guarda deste imóvel. A parceria com os setores responsáveis do Estado e município é importantíssima. Sozinhos não conseguimos fazer”.


De acordo com Verônica Inaciola, a proposta é que se tenha um espaço para a família com arte em geral, sem que uma atividade se sobreponha a outra. “Teremos várias linguagens artísticas, música e cinema”, explicou.


Morador do bairro, o técnico de administração Sergio Soares, de 42 anos, revelou estar ansioso para o início das atividades. “É muito gratificante saber que algo será feito nesta fazenda, que é patrimônio de nossa cidade. Estamos esperançosos, já que o nosso município é muito carente de cultura”, opinou. No próximo dia 25, a fazenda recebe, das 9h às 12h, um encontro de tambores com foco nas matrizes africanas. (Marcela Freitas)


Veja também