Comerciantes querem suspensão do IPTU

Eles estudam entrar com ação civil pública

Enviado Direto da Redação
Comerciantes de São Gonçalo estudam entrar com ação civil pública no Ministério Público (MP)

Comerciantes de São Gonçalo estudam entrar com ação civil pública no Ministério Público (MP)

Foto: Divulgação

Comerciantes de São Gonçalo estudam entrar com ação civil pública no Ministério Público (MP) para que a cidade de São Gonçalo seja obrigada a suspender a cobrança do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) 2018. Amanhã, eles voltam a se reunir na praça de alimentação do Edifício Trade Center, conhecido como “Prédio do Relógio”, em Alcântara, às 16h30, onde definirão ações para tentar rever a cobrança.


De acordo com o presidente da Associação Comercial, Empresarial, Industrial e Rural de Alcântara (Aceira), Fabiano Rodrigues, em alguns casos, o aumento chegou a 1.200%. Fabiano disse que conseguiu agendar reunião com o secretário municipal de Fazenda para a próxima sexta-feira e pretende também conseguir um encontro com o prefeito.


“Neste primeiro momento, vamos pedir a revisão da taxa. Caso não consigamos reverter, vamos entrar com uma ação no MP. Eles fizeram um cálculo alegando que o comércio do Alcântara produz muito lixo. Na verdade, quem produz mais lixo é o camelô, que não tem custo algum”, disse.


A assessoria de imprensa do MP foi procurada para informar se há alguma ação civil pública sobre a suspensão do IPTU, mas não deu retorno até o fechamento desta edição. (Marcela Freitas)

Veja também