Ausência do Poder Público nas ruas do Porto do Rosa

Moradores convivem com diversos problemas no bairro

Enviado Direto da Redação

Foto: LEONARDO F


Uma referência no passado, hoje o bairro Porto do Rosa, sofre com a falta de manutenção e investimentos do poder público. Se antes a região era conhecida como uma antiga Olaria, por ser localizada em uma área de grande fazenda, hoje o local é o retratado do abandono.


Falta de saneamento, iluminação, coleta de lixo e pavimentação, são apenas alguns dos problemas enfrentados por moradores do bairro. Na Rua Padre Nicolau Luiz, essa precariedade fica bastante evidente. Desde as últimas chuvas, no ultimo fim de semana, a água ainda não baixou. Todo o lixo trazido após o alagamento da região continua no local. Além disso, o asfalto, que parece “açúcar”, sumiu deixando a via repleta de buracos.


Moradora da Rua Capitão Crisanto Bastos, a dona de casa Marilice da Rocha, de 36 anos, contou que está muito preocupada com a situação de seu bairro.


“O rio que corta a região está sem dragagem e basta chover pouco para alagar tudo. Aqui, na frente da minha casa, tem um terreno baldio que está cheio de mato, mas a situação é ainda pior na Rua Padre Nicolau Luiz”, reclamou. Marilice disse ainda que esta bastante preocupada, já que não pode tomar a vacina da febre amarela. “Eu tenho imunidade baixa, assim como meus filhos, e não podemos ser imunizados. Mesmo que a suspeita da morte de uma moradora daqui tenha sido descartada, nós nos preocupamos. Aqui tem uma grande área verde e agora temos toda essa água parada. Estamos revoltados e preocupados. O que pedimos é tão pouco. Pagamos impostos para receber os serviços, mas como podem ver não temos direito nem a coleta de lixo”, afirmou.


Por nota, a Secretaria de Desenvolvimento Urbano informou que irá enviar uma equipe ao local para averiguar a demanda. Já a Subsecretaria de Limpeza Urbana informou que irá verificar a coleta de lixo e ampliar o trabalho devido às chuvas. Sobre a iluminação pública, a prefeitura disse que o serviço começou a ser normalizado em dezembro e que a previsão é que todos os pontos de luz da cidade sejam consertados em até seis meses.


Veja também