Parceria pela reabilitação

AFR busca interessados para patrocinar o tradicional ‘Jantar Garçom Caixa Alta’ em Niterói

Enviado Direto da Redação
A AFR é uma instituição filantrópica que atua há quase 60 anos na reabilitação de crianças e adultos, em unidade em Icaraí

A AFR é uma instituição filantrópica que atua há quase 60 anos na reabilitação de crianças e adultos, em unidade em Icaraí

Foto: Alex Ramos

Por Marcela Freitas

A Associação Fluminense de Reabilitação (AFR) está em busca de parceiros para a 31ª edição do “Jantar Garçom Caixa Alta”, evento beneficente realizado em prol da entidade. Ao todo serão disponibilizada seis cotas de patrocínio, que darão aos parceiros a oportunidade de divulgar suas marcas. Cada cotista terá direito ainda a uma mesa durante o tradicional evento.

Assim como já acontece há três anos, toda a venda dos 500 ingressos será revertida para as obras da nova Unidade de Reabilitação e Atendimento Educacional Especializada, que está em construção em São Domingos e será voltada para a assistência de 200 crianças com deficiências intelectuais e para aplicação de cursos de pós-graduação.

De acordo com o superintendente da AFR, Telmo Hoelz, duas cotas já foram adquiridas.

“Quem quiser participar é só entrar em contato conosco. Contamos para a realização com trabalho voluntário de cerimonialistas e buffets de Niterói. Isso é muito bacana”, contou.

O Jantar Caixa acontece no dia 10 de agosto, no Clube Naval, em Charitas, e os ingressos serão disponibilizados a partir da segunda quinzena de junho. A banda Bloody Mary & The Munsters animará o evento. Para mais informações o telefone de contato é 2109-2626 ou através do setor de Voluntariado, na própria sede da associação, que fica na Rua Lopes Trovão, 301, em Icaraí.

Histórico – A Associação Fluminense de Reabilitação (AFR) é uma instituição filantrópica que atua há quase 60 anos na melhoria da qualidade de vida de crianças, adolescentes e adultos com deficiências.

Habilitada junto ao Ministério da Saúde, a associação hoje possui mais 1,7 mil pacientes em tratamento, dos quais 700 são crianças com comprometimento neurológico.

Veja também