Parkour ganha praticantes em Itaboraí

O esporte tem sido praticado em pontos públicos da cidade

Enviado Direto da Redação

Por Rennan Rebello


Praticado mundialmente, o parkour também tem praticantes na Região Metropolitana do Rio. Em São Gonçalo, há o grupo Parkour-SG e na vizinha Itaboraí, o movimento Lycan Parkour surgiu, há cinco anos, como proposta de estimular a atividade física no município.


“No início, a intenção era se juntar para treinar. Mas começamos a querer evoluir e aprender mais a arte do parkour. A partir disso, começamos a divulgar o esporte na cidade, que é carente em atividades físicas”, contou um dos fundadores do movimento e instrutor da modalidade, Leonardo Teles, de 25 anos.


Atualmente, Leonardo trabalha em uma academia como professor e também dá aulas gratuitas na Praça Marechal Floriano Peixoto, no Centro da cidade, aos sábados, em prol de uma cultura esportiva na localidade.


“Eu vejo no parkour uma forma de melhorar a qualidade de vida, de quebrar barreiras psicológicas, fazer amizades e também uma forma de autodefesa. Levo tudo isso como filosofia e, por isso, sou entusiasta, já dei aula para mais de cem alunos. Atualmente, leciono para 42, tenho um projeto”, explicou.


Sonho de inclusão - Além de viver como um traceur (termo designado a quem pratica parkour), Leonardo quer desenvolver um trabalho que envolva pessoas com deficiência física. “Tenho um amigo chamado Felipe Berty, que é cadeirante e dançávamos em um projeto de dança inclusiva da Andef no Rio do Ouro. Por causa dele, venho amadurecendo a ideia de formar uma academia de parkour para pessoas com deficiência física”, finalizou.


Veja também